Ah! o Amor… e a corrida!

 

Dia dos namorados! Muitos casais estão agarradinhos por aí comemorando essa data especial… Na verdade, qualquer dia é dia né? Mas hoje, o significado da data fica um pouco mais forte, os corações ficam mais derretidos, as emoções mais afloradas… Nós queremos celebrar esse dia junto de vocês, inspirando-os com histórias de amor que se confundem com corrida… quem disse que os dois juntos não seria possível?

O amor está no ar! E esses casais queridos nos ajudaram a fazer uma surpresa para seus amores… Esperamos que as histórias desses lindos sirvam de inspiração para a comemoração desse dia com seu amor!

Christopher e Dêise 

Dia dos Namorados, uma data muito comemorada com trocas de votos de amor, carinho, cumplicidade, e de presentes entre os casais pelo Brasil. E entre os corredores essa prática não é diferente, afinal, não vivemos nem pensamos só em correr, mas também amamos alguém especial, não é?

E, no meu caso, a data do Dia dos Namorados passa a ser todo final de semana que tenho a oportunidade de estar perto da Dêisi fisicamente, já que moramos em cidades diferentes, e relativamente longe (ela em Canoas – RS e eu em São Paulo – SP). Não é fácil, tem dias em que a saudade aperta muito, mas isso também torna cada gesto, cada conversa, mais especial.

Conhecemo-nos pelo Instagram por termos um interesse em comum – a corrida, claro! E o que começou como uma conversa despretensiosa passou a várias noites invadindo a madrugada e trocando mensagens, até nos vimos de fato em final de janeiro, quando fui participar de uma ultramaratona no litoral gaúcho (a TTT – Travessia Torres-Tramandaí, de 81km). O que já existia conversando se confirmou com o nosso encontro, e a TTT foi apenas a primeira prova que fizemos juntos.

Desde então, sempre que conseguimos conciliar nossas agendas, são contagens regressivas e ansiedade pelo reencontro. E a cada dia usamos a criatividade para não deixar a saudade nos vencer.

Creio que o clichê de “todo dia é dia dos namorados” nunca fez tanto sentido pra mim. Tão feliz quanto a sensação de estar endorfinado após um treino longo é a sensação de estar com a Dêisi.

Chris

Giselle e Ródnei


Quando comecei a namorar o Ródnei ele já estava se preparando pra ir para sua primeira maratona. Eu corria em doses homeopáticas, só 5km e não tinha pretensão de ir além disso. Me preparava para uma peregrinação de 860km, e meu foco era caminhada.

Mas nesse tempo em que nossos treinos não se encaixavam fui acompanhado o entusiasmo dele e percebendo que, se eu entrasse na sua vibe isso ia nos unir muito mais. Assim, um ano depois que estávamos juntos, no dia seguinte (isso mesmo, no dia seguinte!) que terminei os 860 km andando, comecei a correr. Minha aposta estava certa: Hoje corremos juntos, viajamos pra correr juntos, dividimos e somamos nossos objetivos como casal e como atletas!

Gi

Pamela e Cleber

Em 2012, eu participei da minha primeira prova de corrida. Em 2014, aprimorei meu amor pelo esporte e fiz dele uma terapia diária.

Sempre incentivei o Cleber (meu esposo) a correr comigo. Ele corria esporadicamente, até o dia em que percebeu que a corrida poderia auxiliá-lo a perder peso. A partir daí, fomos descobrindo juntos, que a corrida é um estilo de vida. Que além de ser benéfico a saúde, faz bem para o coração e principalmente para o nosso relacionamento.

Hoje o esporte está vivo em nossas vidas, e é através da corrida que temos mais tempo para ficarmos juntos. Diariamente incentivamos um ao outro a não desistir e esperamos continuar correndo juntos para o resto das nossas vidas. E é assim que vamos evoluindo, incentivando, correndo e amando!

Pam

 

Renan e Vivian

Correndo junto…dela

Estamos juntos há quase 11 anos, corro há pouco menos de 5 anos e a Vivian entrou nesse mundo em Janeiro de 2016.

Ela demorou um pouco pra me acompanhar nas corridas, lembro que quando comecei a correr, ela nem entendia direito porque eu corria, sabia que era pra eu emagrecer, mas fiz a minha primeira corrida, uma Meia Maratona e ela não estava chegada, pouco nos preocupamos com isso na época. Mas aos poucos foi entendendo o que a corrida significava pra mim e uma coisa que nunca faltou vindo dela foi apoio, nos momentos mais fáceis e, principalmente, nos mais difíceis, quando desisti no km35 da minha primeira Maratona, em 2014.

O start da corrida nela foi quando eu fiz a Maratona de Revezamento Bertioga-Maresias em Outubro de 2015 na categoria SOLO, durante os 75km da prova ela viu pessoas com uma força incrível para se superarem, pessoas com um sorriso no rosto e, principalmente, mulheres. Em todos os PC’s que ela parou pra me fazer apoio, parecia que uma semente era plantada e, quando terminei aquela prova, ela me disse que queria um dia fazer essa prova Solo.

A partir desse dia as coisas mudaram, ela foi atrás de uma assessoria com um treinador tão capacitado quanto o meu e começou a ir atrás do seu sonho, de uma hora pra outra o assunto de corrida foi tomando ainda mais parte do nosso dia, metas, desafios e a minha promessa de que quando ela for fazer a primeira Ultra dela, nessa mesma prova, eu correrei ao lado dela. A facilidade dos nossos dias em fazer com que os nossos sonhos e vontades sejam as mesmas mudaram o clima em nossa casa, o que já tínhamos de bom juntos se acentuou com essa mudança dela, nos uniu ainda mais nas nossas conquistas.

A evolução dela foi rápida, não por influência minha, mas pela dedicação que ela coloca em tudo o que faz, tanto que em poucos meses já fizemos alguns treinos de 2 horas juntos, saímos de casa e fomos passando por vários pontos entre nossa casa e a USP e tirando fotos, curtindo todo o trajeto, mas o melhor ainda estava por vir.

Nesse ano fiz a Maratona do Rio de Janeiro, ela como sempre me acompanharia na viagem, mas me esperaria na chegada, na noite anterior à corrida ela ganhou um kit da meia maratona pra fazer e, para a minha surpresa, aceitou o presente. No dia seguinte acordamos cedo, ela um pouco nervosa, mas não querendo demonstrar, partiu no ônibus pra fazer a sua primeira Meia, eu dediquei um tempo para mandar uma mensagem linda, mostrando que ela seria capaz de enfrentar qualquer desafio, que ela não enfrentaria nada de diferente do que tinha treinado até ali, durante a minha corrida pensei muitas vezes em como ela tinha ido, principalmente depois que passei por onde tinha sido a largada dos 21k e vi todo o percurso que ela tinha enfrentado.

E no fim da Maratona lá estava ela, emocionada por ter completado sua prova e emocionada por eu ter completado a minha, nós dois nos abraçamos com um amor incondicional de cumplicidade, de saber o que a corrida significa para um e para outro, choramos abraçados e nos unimos ainda mais depois dessa dupla conquista.

Não foi a corrida que nos uniu, mas foi a corrida que nos aproximou ainda mais um do outro, dedicando mais tempo um ao outro e fazendo com que a vontade de um seja a vontade do outro também.

Re


Michelle e Régis

img_0771

Eu e o Régis estamos juntos há quase 16 anos, sendo 10 de namoro e quase 6 de casados. Antes de nós casarmos, eu só treinava na academia: fazia hidro e aulas coletivas, natação, musculação; não praticava corrida de rua. Quando resolvemos nos casar, resolvi dar um turbo nos treinos e comecei a correr e dias antes do casamento, fiz minha primeira corrida de rua. Depois disso, nunca mais parei. O Régis me incentiva demais: faz minhas inscrições pros treinos da Nike, abraça minhas ideias malucas de correr em outros lugares fora de São Paulo. Aliás, ele foi o maior incentivador da Disney. Talvez, se eu não estivesse com ele, não teria embarcado no Desafio.

Eu juro que tento incentivá-lo a correr, mas acordar cedo num domingo, por exemplo, não é a dele. Mas, de vez enquanto, ele abre mão do seu sono e vai em algumas provas pra caminhar: já foi nas provas da Timão Run, Autismo e Realidade, Run To Fun… E quem sabe, um dia, o bichinho da corrida o pique.

Ele não corre, mas o seu apoio e incentivo me deixa muito feliz! As medalhas são sempre pra ele!

Mi



Juliana e Thiago


Após tantas corridas atrás de sentimentos diferentes como a paz, aceitação, serenidade, resignação, nunca imaginei que encontraria através delas também o amor.

Tudo começou com a realização do sonho de correr a Volta a Ilha em Floripa… Lá tive a oportunidade de conhecer o Thi. Vieram mais duas provas após essa, onde tivemos a oportunidade de conversar e nos conhecer… Dei trabalho pra ele viu! Pois eu não esperava encontrar mais ninguém nessa vida… Mas como ele mesmo diz, “ultramaratonista não desiste fácil” 🙂 E assim, na prova 28 praias em Ubatuba ele me conquistou definitivamente.

O tempo que se passou desde então é curto, mas a intensidade e a cumplicidade é enorme! Nossos interesses em comum, nossas conquistas, apoios… Já corremos muito juntos, ou um apoiando o outro, e sabemos que temos muito ainda a percorrer. A corrida nos uniu e através dela intensificamos nosso amor, fazemos planos futuros, objetivos que queremos cumprir juntos… Claro que se eu quiser alcançá-lo ainda tenho que treinar muuuuuito! (risos) Mas com um incentivo desses, vale a pena treinar! 😀

 

 

 

 

“Que o amor não dependa do tempo, nem da paisagem, nem da sorte, nem do dinheiro. Que ele possa vir com toda simplicidade, de dentro para fora, de um para o outro…”

Feliz Dia dos Namorados!!

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s